domingo, 18 de Fevereiro de 2018

Notícias / Regionais

PM captura em Marília envolvido em morte do filho do deputado estadual Abelardo Camarinha

23/01/2018

A Força Tática da Polícia Militar capturou o foragido do sistema prisional Renan dos Santos, de 30 anos, durante o início da noite desta segunda-feira (22) no bairro Argollo Ferrão, zona Oeste de Marília. Ele foi condenado há mais de 30 anos por latrocínio em 2006, caso que teve como vítima Rafael Camarinha.

 

Rafael era filho do deputado estadual Abelardo Camarinha (PSB) e irmão do ex-prefeito Vinícius Camarinha (PSB).

 

O procurado pela Justiça foi encontrado pela Força Tática por volta das 18h50. Ele teria tentado fugir, mas quando percebeu que estava cercado por várias viaturas acabou se rendendo.

 

Renan dos Santos estava foragido desde o dia 3 de janeiro, quando não voltou da “saidinha de fim de ano” para unidade prisional em Valparaíso (distante 199 quilômetros de Marília). Ele já cumpriu cerca de 12 anos de prisão.

 

Caso

 

Um trio mascarado matou com um tiro na cabeça Rafael Almeida Camarinha, de 23 anos, então apontado pela polícia como um dos mandantes do atentado que destruiu as instalações do jornal “Diário de Marília” e das Rádios Dirceu AM e Diário FM.

 

Rafael foi morto por volta das 8h30 na sua casa, no bairro Salgado Filho, zona Oeste de Marília. Ele era estudante de publicidade e propaganda na Unimar (Universidade de Marília).

 

Armados, encapuzados e vestidos com macacões azuis, os assassinos pularam o muro da residência, entraram na habitação e atiraram à queima-roupa na cabeça de Rafael.

 

Não ocasião a polícia suspeitava que Rafael tinha se ajoelhado antes de morrer porque o tiro partiu de cima para baixo.

 

A empregada da residência, Ana Aparecida Manoel, de 35 anos, levou um tiro no ombro, mas conseguiu telefonar para a polícia.

 

Rafael foi encontrado caído próximo da porta do quarto. Levado ao Hospital das Clínicas, ele morreu.

 

Condenação

 

Márcio Antonio Condelli, Renan dos Santos e Ricardo Antonio Aparecido de Oliveira, acusados pelo assassinato Rafael Camarinha, foram condenados pela Justiça pelo crime.

 

Márcio Antonio sentenciado a pena de 35 anos de detenção. Renan e Ricardo Antonio condenados a 30 anos, cada um.

 

A hipótese de que esse homicídio pudesse estar relacionado com incêndios criminosos nas duas rádios e no jornal, em 2005, dos quais Rafael era suspeito, foi descartada oficialmente.

 

Para a polícia, o jovem foi assassinado durante uma tentativa de assalto. Teorias da conspiração sobre o crime são alvo de assunto até hoje nas rodas de conversa pela cidade.

 

Apesar da polícia falar em latrocínio, o pai do estudante atribuía o crime ao editor do Diário de Marília e ao dono da Central Marília Notícias na época, seu inimigo político.

 

Mais tarde Camarinha foi acusado de ter retomado o controle da CMN, hoje fechada pela Polícia Federal, por meio de “testas de ferro”.

 

Marília Noticia 

Veja também:
© Copyright 2012 TUPÃ NOTÍCIAS - Todos direitos reservados